Redes médicas populares aumentam campo de atendimento

A demanda da população para atendimento médico no sistema básico de saúde e redes médicas é grande. Pode ser nos municípios com menor número de habitantes até os grandes centros urbanos, os hospitais e unidades básicas de saúde estão sempre com excesso de pacientes e falta de mão de obra especializada, como médicos especialistas e enfermeiros.

Para atender parte da população que não tem poder aquisitivo para bancar um plano de saúde e não pode esperar atendimento, profissionais da área da saúde e empreendedores encontraram um nicho a ser explorado oferecendo os serviços por um custo reduzido.

A procura por esses estabelecimentos passou a ser uma alternativa vantajosa para aqueles que buscam um bom custo-benefício, com diversos serviços médicos sendo atendidos de forma agendada, por especialistas e com preço acessível.

Modelo alternativo tem ampla cobertura

Fugindo de modelos tradicionais de atendimento médico, esses empreendimentos formados por profissionais de diferentes áreas passaram a incluir especialidades que antes estavam fora do alcance da maioria da população.

Atualmente, as clínicas populares reúnem diversos especialistas que cobram valores módicos dos pacientes, em um tempo de atendimento muito mais rápido que o sistema público.

Deste modo, é possível encontrar médicos que atuam em áreas específicas, como:

  • Cardiologia;
  • Dermatologia;
  • Ginecologia;
  • Otorrinolaringologia.

Médicos pediatras, clínico geral e geriatras também estão à disposição de pessoas que precisam de atendimento de acordo com a idade.

Até mesmo outras áreas da saúde fazem parte do quadro de profissionais, como dentistas e esteticistas, com valores que variam conforme a especialidade.

O atendimento em uma clínica popular pode ser agendado por telefone ou aplicativos próprios, desenvolvidos para celulares e tablets.

As parcerias empresariais também são comuns nesse setor. Todos com a finalidade de atender os pacientes da melhor forma possível.

Isso fica claro quando laboratórios clínicos, redes hospitalares e profissionais como os de educação física, técnicos esteticistas, entre outros, formalizam a parceria e atendem clientes cobrando preços menores quando atendidos sob uma bandeira popular.

Investimento em equipamentos e mobiliário

Para os empreendedores que investem capital nesse modelo de negócio, é preciso entender que os custos podem ser altos, mas o retorno pode acontecer a médio prazo.

Os custos de um imóvel adequado para atendimento médico é variável, dependendo do número de salas e das especialidades que serão atendidas.

Já os equipamentos e instrumentos cirúrgicos utilizados devem estar de acordo com as normas regulamentadoras que regem o setor, atendendo a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) e a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

As entidades de classe, como o Conselho de Medicina, devem estar cientes de todos os procedimentos que ocorrem nestes ambientes, para segurança dos pacientes e dos profissionais que atuam nesse mercado.

As especialidades médicas são voltadas para diversos pacientes, com sintomas variados. Por isso, é preciso ter um ambiente preparado para receber os clientes para consultas e exames, mas também para uma incisão direta – se for o caso.

Mais ainda, é preciso manter o instrumental cirurgico a postos, com tudo preparado e todo cuidado que a medicina determina.

Ferramentas apropriadas para uso profissional nas redes médicas

A rede formada por empresas parceiras conta com médicos, enfermeiros, atendentes, cirurgiões-dentistas, biomédicos, entre outros profissionais que precisam de ferramentas adequadas para os momentos mais apropriados dentro de uma consulta ou exame.

A disponibilidade de equipamentos deve estar dentro do planejamento de negócios, contando desde as simples pinças cirurgicas até aparelhos de tomografia e identificação de nódulos pulmonares e cerebrais.

Isso valoriza a empresa e aumenta o campo de atendimento para a população, com oportunidades diversas para manter a saúde da população em dia.

O sucateamento por parte do poder público e os valores exorbitantes cobrados pelas empresas que trabalham com plano de saúde refletiram no orçamento doméstico, obrigando muitas famílias a reconsiderarem esse tipo de gasto e criaram espaço para que empresas pudessem atender a população de forma correta e com orçamentos facilitados.

Para os empreendedores da área da saúde, vale lembrar que a implementação desse modelo de negócio depende de um planejamento adequado, desde a compra de uma pinça para cirurgia, viabilizam o acesso à saúde para grande parte da população.

A vida de todos é importante e cuidar da saúde é fundamental em qualquer momento, seja criança, adulto ou idoso. Para os profissionais, é mais um campo para atendimento, colocando em prática todo o conhecimento adquirido, de maneira prática e eficiente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *