Os cuidados após uma cirurgia

Atualmente, os tratamentos médicos não invasivos têm ganhado cada vez mais adeptos.

Afinal, todos saem ganhando: o profissional realiza o procedimento mais rapidamente e o paciente retoma sua vida normal com maior rapidez, sem o uso de itens como a cinta modeladora pos cirurgica.

Assim, o leque de males que podem ser tratados com simples medicamentos ou mesmo com pequenos procedimentos realizados em consultórios tem crescido.

Apesar disso, é preciso ter em mente que, dependendo do quadro do paciente, não há alternativa: ele terá que enfrentar o centro cirúrgico.

Ao contrário do que muitos pensam, a saga não se encerra quando ele recebe alta hospitalar, já que os cuidados para que a recuperação seja plena podem se estender por semanas, ou, até mesmo, por meses.

Quer saber mais sobre isso? Então continue lendo e confira alguns cuidados importantes para se tomar após a realização de uma cirurgia:

Uso da cinta cirúrgica

No caso de algumas cirurgias plásticas, como a abdominoplastia, o profissional responsável pelo procedimento aponta o uso da cinta modeladora como algo indispensável.

Já em outros tipos de operações, ela é opcional, mas, ainda assim, traz vantagens ao paciente. Entre elas, estão:

  • Cicatrização melhorada e mais rápida;

  • Combate à flacidez da região abdominal;

  • Auxílio para manter a postura;

  • Conforto, já que ela não é muito apertada.

O mecanismo de funcionamento desse item é relativamente simples: a cinta pos cirurgica comprime levemente a região sobre a qual é colocada, o que, por sua vez, gera todos os benefícios mencionados anteriormente.

Ao mesmo tempo, ela é confeccionada em um tecido fino, que promove o conforto e a ventilação da pele durante o seu uso.

Procure descansar

Algumas cirurgias podem ser bastante extensas, afetando boa parte do corpo. Por conta disso.

O organismo precisa de tempo e de energia para se recuperar e atingir o seu estado anterior, de modo que o procedimento possa ser considerado um sucesso.

Isso, por sua vez, é muito simples: basta descansar e se abster de realizar tarefas muito pesadas.

No caso da faxina, por exemplo, recomenda-se a contratação de uma empresa de limpeza, para que o paciente não tenha que se ocupar disso.

Ao mesmo tempo, é importante que a pessoa em recuperação evite o contato com fontes de stress, de modo que o seu organismo possa se recuperar com mais facilidade.

Isso, por sua vez, pode significar um afastamento temporário do trabalho, além de evitar atitudes como a contratação de uma empresa de manutenção predial para fazer grandes reformas na residência do paciente durante esse período.

Assim, ele retomará a vida normal em muito menos tempo.

Mantenha o curativo em bom estado

Para manter a higiene e evitar infecções, todas as pessoas que passam por cirurgias recebem um curativo na região onde o médico realizou a incisão.

Trata-se de cobri-la com um material que impeça o contato com partículas estranhas, facilitando, assim, a cicatrização.

Apesar de a aplicação do curativo ser de responsabilidade de médicos ou de enfermeiros, cabe ao paciente mantê-lo em bom estado.

Por exemplo: caso a incisão seja na barriga, pode ser preciso remover a faixa abdominal feminina usada para buscar sinais de problemas, mas sem manipulá-lo.

Da mesma forma, caso ele não seja impermeável, será preciso cobri-lo durante o banho.

Fique atento a sintomas que aparecerem

Após uma cirurgia, é comum que o corpo reaja ao trauma que acabou de sofrer.

Isso, por sua vez, pode causar sintomas como febre, dores no local da incisão, inchaço e até mesmo coceira.

Nesses casos, os médicos os consideram normais, e apenas promovem o seu alívio, de modo que o paciente fique confortável.

Porém, é preciso que tanto o paciente quando os profissionais que o acompanham fiquem atentos a sinais de algo não vai bem.

Isso pode significar desde uma febre muito alta até a liberação de secreções anormais do local da incisão.

Caso isso aconteça, é preciso procurar ajuda médica especializada imediatamente para investigar o que aconteceu e o que pode ser feito para tratar o mal.

Não falte à consulta de acompanhamento

Por último, mas não menos importante, é fundamental que o paciente não falte a nenhuma das consultas de acompanhamento marcadas pelo médico.

Lembre-se: esses são os momentos nos quais o profissional pode analisar a sua evolução, e, assim, verificar se tudo está acontecendo como realmente deveria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *