Como é realizado um transplante de fígado

O fígado é uma glândula composta por milhares de células denominadas hepatócitos, responsável por produzir substâncias essenciais ao equilíbrio do organismo. Compondo o sistema digestório, a sua função é metabolizar e armazenar nutrientes. Localizado na parte superior direita do abdômen, o órgão é subdividido em quatro lobos: direto, esquerdo, caudado e quadrado.

As funções desenvolvidas pelo fígado são transformar a galactose e a frutose em glicose, para ser utilizada pelo organismo como fonte de energia; armazenar vitaminas e minerais; e filtragem do sangue e transformação das proteínas em aminoácidos.

Além disso, essa glândula também transforma a gordura consumida em fonte de energia e a libera sempre que o corpo necessita.

Mesmo apresentando uma capacidade alta de recuperação, algumas doenças que são desenvolvidas no órgão são sérias e podem levar a morte.

Para evitar que doenças como insuficiência hepática aguda ou crônica resulte em perdas, é preciso fazer uma interferência cirúrgica e substituir o figado doente por um sadio.

É importante ressaltar que todo o processo é realizado atendendo as especificações que o procedimento demanda. Por esse motivo, tanto o pré, o durante e pós operatório são conduzidos por profissionais especializados em suas funções, assim nenhum medicamento ou ação simples ou complexa é realizada sem o acompanhamento de especialistas.

Tipos de transplante

O transplante de fígado é realizado quando o fígado não apresenta mais melhorias ao tratamento que está sendo realizado.

Atualmente, ele pode ser realizado por meio de duas modalidades: a doação de um fígado compatível, doado por uma pessoa com morte cerebral; ou parte do fígado doado por uma pessoa compatível e viva.

Na primeira situação, a pessoa precisa ser doadora ou a família autorizar a doação por meio de uma documentação.

Após o consentimento dos familiares, o fígado é removido por uma equipe especializada e deve ser conservado em soluções específicas a uma temperatura de 4ºC. O seu transporte precisa ser rápido e cauteloso.

A inserção do órgão sadio envolve um processo de suturas, ou seja, procedimentos técnicos para unir tecidos para ter uma anatomia funcional nas vias principais que passam por ele, como:

  • Veia cava;
  • Veia porta;
  • Artéria hepática;
  • Restabelecimento do fluxo da bile.

Já a segunda modalidade é mais comum em receptores infantis, pois a escassez de órgãos nesta faixa etária é maior.

Ao doador é removida a parte do lobo esquerdo ou direito. Apresentando bons resultados, a técnica foi adotada também aos receptores adultos.

Quando o transplante é indicado?

Ao realizar o acompanhamento com medico especialista em figado, ele conseguirá analisar e verificar as condições do fígado e desenvolvimento das doenças.

Ao diagnosticar a doença, o médico poderá dizer ao paciente a necessidade ou não de um transplante.

Em crianças a cirurgia ocorre em cenários bem específicos, um deles é atresia das vias biliares, no qual o canal da bile não é desenvolvido e impede a sua passagem, podem resultar em cirrose e crianças com doenças metabólicas hereditárias graves.

Ao adultos, a maioria dos casos são por conta da cirrose que é desenvolvida pela doença da hepatite c ou hepatite b, atrelado ou não ao consumo de álcool.

Além disso, o alto consumo de álcool sem histórico de doença pode desenvolver a cirrose e demandar o transplante do fígado. Mas cada caso é único, por isso o acompanhamento de um especialista fígado é ideal para o tratamento correto.

Alterações na pele

A doenças no fígado ocasionam alterações na cor da pele do enfermo, assim uma das medidas de tratamento são os cremes para contribuir com o clareamento da pele, retomando a sua cor natural.

É importante ressaltar que os resultados só são satisfatórios quando todos os procedimentos são realizado seguindo as orientações do especialista em figado.

O profissional conseguirá acompanhar todas as etapas do tratamento e verificar as resposta do organismo aos medicamentos e procedimentos.

Através de seus conhecimentos técnicos e específicos, é possível indicar o melhor tratamento e medicamento para o fígado e para pele.

Em alguns casos o tratamento da clareação da pele pode ser realizado em conjunto com o médico dermatologista e o creme para clarear a pele, bem como seus efeitos é controlado por ele.

A cirurgias demoram de 8 a 12 horas, mas tudo vai depender da resposta do organismo de cada paciente e o estado da doença e seu histórico médico.

A recuperação é gradual, porém é rápida. Para isso, o tratamento precisa ser realizado com acompanhamento bem como a medicação desde o creme clareador para remoção de manchas até o uso de medicamento mais fortes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *